terça-feira, 8 de julho de 2008

Cinco brasileiras em Gorée, no Senegal


Parte I - O primeiro contato com o país do oeste africano e com as integrantes do II Programa de Treinamento do YOWLI -Young Women's Leadership and Knowledge Institute -, que busca instrumentalizar e capacitar jovens em relação aos direitos econômicos e sociais para as mulheres

Três táxis enfileirados em uma rua estreita de mão única. Os taxistas do lado de fora dos carros. As malas no chão, uma mistura de terra e asfalto, acumuladas ao redor dos carros. Mais malas do que passageiros. Melhor dizendo, passageiras. O suposto era que as malas acompanhassem suas donas pra evitar confusão. Mas a confusão já estava armada. Duas passageiras pra cada carro era um tamanho desperdício: espaço nos bancos sobrando em contraposição a porta-malas lotados.
Meia hora de negociação, o primeiro taxista, irredutível, se enfurece, tira todas as malas do interior do seu carro e vai embora, reclamando em wolof, a língua tradicional mais falada no Senegal. Outro táxi é chamado. O meu táxi avança e toma o lugar do primeiro táxi da fila. “Quem vai pagar?”, ele me pergunta. Digo que é a mulher que está fora, ele sai do carro e vai averiguar com ela. Depois do pagamento garantido, dá partida. “Ligação marítima Dakar-Gorée” é o destino. A última embarcação do dia sairia dali a meia hora. As “brasileiras” já estavam na capital senegalesa havia três dias, a espera de outras jovens que, de pouco em pouco, desembarcavam no aeroporto Leópold Senghor. No caminho, o taxista faz comentários. “Ali é o ponto final do transporte público que leva para os bairros mais periféricos”, apontando para mulheres, homens, crianças, que se acumulavam ao redor de ônibus coloridos. “Ali é o mercado”. “Ali é o estádio de futebol”.
No trajeto até a ilha, o sol começa a se pôr. Eram quase oito da noite. Na embarcação, ainda sem nos conhecermos todas, novos rostos foram se juntando às recém apresentadas Yowlees que participariam do II Programa de Treinamento do YOWLI (Young Women's Leadership and Knowlegde Institute) que, desta vez, seria na Ilha de Gorée.
Desembarque. As malas foram se acumulando à espera de auxílio para serem carregadas. Carrinhos de ferro esperavam por braços que os viessem manejar. Aos poucos, homens e rapazes iam chegando e saindo, empilhando malas e manobrando os carrinhos. Sem pressa, eu contemplava o “semblante” da ilha, que era o que se via na penumbra da iluminação pouca do lugar. E pensava no significado daquele momento: o encontro de jovens de diferentes países africanos e de países da diáspora para tratarem de questões relativas a Direitos Humanos - principalmente, de direitos da mulher e de africanos e seus descendentes -, no lugar que foi um dos três maiores entrepostos de tráfico de seres humanos oriundos do continente africano, que foram levados dali, oceano Atlântico afora, por mais de trezentos anos. Aquele mesmo amontoado de água que circundava a terra que agora estava sob nossos pés serviu de via para inúmeras viagens sem volta. Beira o indescritível a sensação de pisar em Gorée para quem tem naquele lugar um pedaço de sua própria história...
Erica Ferreira, Liliane Braga, Priscila Pinto Ferreira, Viviane Coelho de Jesus foram as Yowlees brasileiras selecionadas para participar do programa de formação em questão, que neste ano conta com a participação de quase 70 mulheres e oito homens de 36 países. Mafoane Odara, a quinta Yowlee brasileira e única a participar da primeira edição do curso realizado em 2006, chegou na quinta-feira (02/07) à Gorée. Ela veio participar dessa edição como uma das facilitadoras.
O lugar escolhido para a realização do YOWLI 2008 foi a Escola Mariama Ba, internato para garotas talentosas e único do Senegal a oferecer educação gratuita em tempo integral a jovens do país.
Quando chegamos lá, a divisão dos quartos já estava feita. A proposta foi que nenhuma das Yowlees ficasse com colegas do mesmo país. Na porta dos quartos, os nomes das meninas que ocupam os dormitórios no decorrer do ano letivo. Entre as Yowlees, algumas são alunas reais do colégio, adolescentes de 16 e 17 anos. No dia seguinte a nossa chegada lá, uma delas, de nome Assatou, conversa comigo em inglês e me diz que, na escola, aprende o idioma desde os 5 anos de idade.


2 comentários:

Lia Lopes (SP) disse...

Lili, Pri, Mafu, Erica e Vivi
Quantas experiencias riquissimas!
Das fotos as palavras, posso sentir a grandiosidade do aprendizado e da magia que Gorée trará a vida da cada uma de vcs e de nós (aqui no Brasil) tb, rs.
Daqui só desejo muito asè e muitas felicidades (e mais noticias, rs).
OBS: fiquei super curiosa em saber mais sobre esta escola de jovens mulheres talentosas da ilha e sobre a formação que elas recebem (isso já é um sinal de que o encontro promete! rs).
Será que existem mais escolas assim em outros lugares do Senegal?tem algum site onde podemos obter mais informações?

Gabriela disse...

Olá Meninas, gostei muito do blog, pois ele tem um conteúdo de grande avanço em várias temáticas, que possibilitam uma inserção social, creio que isso só tem a nos acrescentar, desejo que vocês adquiram mais experiência, além do que já possuem e documentem no blog e pessoalemente, quando voltarem para o Brasil.

Axé e muita sorte a Todas.....